segunda-feira, 23 de outubro de 2017

O SILÊNCIO E A VERDADE.


































O SILÊNCIO E A VERDADE.

Quero aprender a ouvir os gritos que rompem,
Angustiantes,
Dentro do silêncio dos que não falam.
Quero aprender a ouvir as palavras faladas,
Por bocas cerradas,
Quero saber ler a mensagem,
Dos olhos que falam,
Por terem caladas, as bocas.
Quero entender o que fala,
Tombado, calado, o corpo surrado na vida,
Quero aprender e entender,
Os porquês,
De tantas bocas cerradas,
Tantos olhares suplicantes,
Tantos silêncios constrangedores,
Lancetando a consciência...
Quando os dias continuam iguais.
Amanhecem e anoitecem...
Iguais!
Nada muda, nesse mundo mudo de justiça!
Onde há masmorras de silêncios acovardados,
Mantendo a confortável posição do não fazer.
Falta um grito de consciência alerta,
Que desestabilize o silêncio inerte,
E entremeio à brecha que se abre,
Adentre a cara da verdade, corajosa!
Olvidando a hipocrisia,
Ignorando a covarde tiraria,
Colocando, cada qual em seu lugar.
Falando e gritando,
Pelos que tombaram silenciosos,
Por falta de ouvidos que os ouvissem.

Quem sabe amanhã, de manhã...

Irani Martins

23/10/2017

domingo, 8 de outubro de 2017

A SABEDORIA NÃO NASCEU ONTEM















A sabedoria não nasceu ontem,

Tampouco quando tu abriste os olhos para o mundo,
Na data em que nascestes,
E falou pela voz do seu primeiro choro,
Que gritava vida,

A sabedoria não nasceu nem ontem,
Nem quando tu nasceste...

A sabedoria sequer nasceu!
Não houve um parir dessa dádiva,
Ela chega, como tudo que é essência Divina,
Escrita pelas mãos da providência,

Lê aquele que letra a letra,
Unem consoantes e vogais,
Trazendo a si,
O saber dos mestres...

A sabedoria mostrada no olhar que ama,
Nas mãos que afagam,
Nos pés que te indicam caminhos,
Nas palavras que te orientam,
No semblante que aprova,
No silêncio que condena,
Na lágrima que escorre,


A sabedoria de quem aprendeu,
Com o olhar que o amou,
Com as mãos que o afagou,
Andou sobre os pés que o orientou,
Ouviu palavras que o edificaram,
Silêncios que o oprimiram,

Que receberam verdades, em vida,
De livros humanos andantes,
Errantes,
Amantes,
E sabiamente, passaram adiante.

A sabedoria não nasceu ontem,
Nem no dia em que nasceste,
Mas, foi passada a ti,
Por todas as mãos e rostos emaciados,
Envelhecidos,
Machucados, pela vida,
Doídos, mal amados,
Vencedores e vencidos,
Que por amor,
Quiseram-te livre!

Irani Martins

08/10/2016

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

O LUGAR, ONDE POSSO SER, QUEM SOU.

      

O LUGAR, ONDE POSSO SER, 
QUEM SOU.

Existe um lugar tao abençoado que dentro dele, podemos exercer nossa essência verdadeira.
Sermos nós mesmos. Feios, bonitos, pobres, ricos, e abarrotados de defeitos, fisicos e morais. E ainda assim, encontrarmos ali, uma fonte de amor.

Essa fonte de amor, não estava ali, à nossa espera. Pois como um sapato ou roupa, ela veste apenas ao figurino que a serve. 
Esse lugar mágico, onde podemos ser o que somos, é construído a muitas mãos, por uma família que se interagiu amando-se entre si, aprendendo a conhecerem-se uns aos outros, entendendo que os nossos defeitos são reflexos uns dos outros, pois somos feitos de material tal qual espelho, apenas não aprendemos a sua utilidade.
Aos poucos vamos usando os recursos que temos, aprendendo suas utilidades e dando a cada um o valor devido. Não há ferramenta que não tenha seu valor devido, quando a hora de apresenta.
E nesse espaço abençoado, dia a dia uma fortaleza se edifica. O que era aparentemente frágil, torna-se um refrigério. Todos queremos ter um lugar para retornar ao final do dia exaustivo e descansar sob um teto de paz. Sob a luz da confraternização e o abraço da fraternidade.
É o dia a dia. Os olhos benevolentes e corações enternecidos os arrimos desse santuário que chamamos LAR.
Construído por um trabalho amoroso de uma familia.
Todos queremos ter para onde voltar. Fazemos dele um Lar, ou um lugar qualquer.
Aqui na terra, enquanto matéria, precisamos construir nosso reduto de amor e paz para nele nos refazermos ao fim de cada jornada, em comunhão com aqueles que Deus nos confiou a caminhada.
Assim seguiremos até retornarmos ao LAR ESPIRITUAL.

Aqui está o meu LAR

Aqui eu tenho o meu refrigério e meu abraço amoroso e fraterno sempre que chego.

Irani Martins


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

DOGEN ZENJI



Quando preparardes a comida, não olheis com olhos comuns e não penseis com mente comum.
Apanhai uma folha de relva e construí uma terra do rei do tesouro; entrai numa partícula de pó e girai a grande roda do darma. 
Não desperteis uma mente desdenhosa quando preparardes um caldo de ervas silvestres; não desperteis uma mente alegre ao preparardes uma refinada sopa cremosa. 
Onde não há discriminação, como pode haver aversão? Por conseguinte, não sejais descuidados nem mesmo quando trabalhardes com material pobre, e mantei vossos esforços mesmo quando tiverdes excelente material. Não mudeis jamais a vossa atitude de acordo com o material. 
Se assim o fizerdes, será como se alterásseis vossa verdade ao falar com pessoas diferentes; não sereis, então, um praticante do caminho.
Dogen Zenji

"Não há nada à parte de mim”


"Não há nada à parte de mim”


Quando você compreende que é divino, você é livre e desapegado do que quer aconteça ou não. A tela não é influenciada pelas cenas que são projetadas nela. Seja imperturbável, pois nada é real. E se o irreal te afeta, isso significa que você ainda está imerso em ignorância. A compreensão mais elevada é “Eu sou Tudo, não há nada à parte de mim”. Logo, por que se preocupar?


Sri Ranjit Maharaj
(em “Illusion vs. Reality”)

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

A BUSCA















A BUSCA


Procuro no meu tédio, te encontrar,
Busco-te, não querendo me perder,
Encontro-te e te perco, tantas vezes,
Voo livre em coração, na minha busca,
Encontro-te,
E tombo ao chão, tocando os pés,
Na ilusão que me encanta de que há mais,
E te perco, no desencontro,
Do que preciso, e não vejo,
E do que vejo, escolho,
E não me completa!

Irani Martins

domingo, 13 de agosto de 2017

ONDE ANDA O JOVEM QUE GIROU A CHAVE DA PORTA?




ONDE ANDA O JOVEM,
QUE GIROU A CHAVE DA PORTA?

Todos os dias te descubro,
E penso que te conheço,



Hoje vi que teus olhos sorriem,
Mesmo que seus lábios não se movam,
Mesmo que tudo seja silêncio.

Um dia,
O primeiro, que estivemos sob o nosso teto,
Descobri o seu cuidado ao girar as chaves de cada porta.
Nunca havia pensado na vida, mudando assim.
Trazendo tarefas miúdas, sutis, delicadas e dedicadas.

Fui te descobrindo, te encontrando...
Achei que te conhecia...
Nem hoje te conheço ainda!
Descubro-te a cada dia,
A cada momento me revelas uma face desse alguém.

Conheci-te namorado,
Me apresentantes um esposo,
Admirei um pai dedicado, que não posso dizer melhor que o meu,
Pois não eras o meu,
E agora, te vejo avô.

Busco entender, inutilmente,
 O porquê me rebolo e reviro procurando agradar,
Mas Alice prefere você,
Sua conversa, sua companhia,
Seu colo.

Do jovem, que girou a chave na porta, muitos anos atrás,
Resta a semente plantada e germinada,
Dos que te antecederam,
Mas você mudou,
Mostrou tantas faces diferentes!

Falou, calou, chorou e sorriu a cada momento,
Com a maestria dos que aprenderam,
A tocar a vida e a dançar no ritmo dela,
A chorar calado e sem lágrimas,
A falar e sorrir com um olhar,
A abraçar sem mover os braços,
A sangrar o coração,
Por falta de opção.

Descubro-te a cada dia,
E somo essas descobertas,
Descobri, também, que aquelas que subtraí,
Foram necessárias,
Pela própria vida,
Então as adicionei, por ordem do meu coração.

Juntei tudo,
O jovem da chave,
O esposo,
O pai,
O avô,
O amigo,
E te trago dentro do meu abraço,
Orgulhosa de ti,

Feliz dia dos pais, meu amor, meu amigo e companheiro.
Sigamos, cuidando de fechar nossas portas,
Girando com cuidado as chaves.

Irani Martins
13/08/2017